Corridas lendárias

02/11/2015 Comentar
DN_CorridasLendárias

Na história do desporto motorizado, houve sempre competições que se tornaram mais relevantes do que outras. Quais os fatores que as catapultaram para o estatuto de lenda? Numa análise aos mais diversos templos da velocidade e às provas que lhes estão associadas, há sempre um conjunto de míticos circuitos que se destacam — e com eles também relógios emblemáticos.

Qualquer modalidade desportiva tem os seus principais locais de culto — verdadeiras mecas que os respetivos adeptos sonham visitar em peregrinação pelo menos uma vez na vida. Wimbledon, no ténis. Augusta National, no golfe. Wembley e Maracanã, no futebol. No desporto motorizado, a romaria é mais dispersa porque as muitas disciplinas existentes implicam uma maior diversidade geográfica e são várias as competições que conseguem capturar o imaginário dos aficionados. E, consequentemente, o interesse das marcas relojoeiras.

O que é que consegue transportar uma determinada corrida para a lenda? Os fatores são múltiplos e vão dos mais objetivos até aos inevitavelmente subjetivos. Para começar, a história assume um peso determinante — os campeões que participaram e ganharam, os episódios mais dramáticos e as anedotas mais rocambolescas ao longo do tempo. Depois, o desafio que constitui e a dificuldade que lhe é inerente. O enquadramento também se afigura particularmente relevante, desde o envolvimento urbano até à beleza paisagística. E, claro, o desejo que desperta em pilotos profissionais e amadores, que sentem instintivamente na pele quais os circuitos que mais gostariam de experimentar e as corridas específicas que desejariam ganhar.

Desde o advento do desporto motorizado que surgiram corridas e circuitos um pouco por todo o mundo. Das corridas que atingiram maior fama, várias houve que tiveram de ser canceladas por motivos de segurança e algumas foram reinventadas. Dos circuitos mais emblemáticos, muitos foram reconvertidos ou substituídos por outros em paragens diferentes. Houve corridas que inspiraram modelos ou mesmo linhas relojoeiras inteiras que ainda vigoram, como sucedeu com Daytona, a Carrera Panamericana e a Mille Miglia; e há circuitos que invariavelmente ajudaram a batizar relógios, como o Monaco e o Silverstone. Pesando todos os fatores, pode-se chegar a uma lista de corridas/circuitos atualmente em vigor e elaborada segundo critérios alargados – , aqui vai uma seleção variada, sem qualquer ranking estabelecido e por isso apresentada de forma aleatória.

Leia a reportagem completa no site da Espiral do Tempo.