Baselworld 2016/ As novidades da TAG Heuer

31/03/2016 Comentar
DN_Baselworld2016

Esperava-se muito das novidades da TAG Heuer em Baselworld. E confirmou-se a nova estratégia sob a batuta do guru Jean-Claude Biver: enorme sucesso do Connected Watch e sedimentação do resto da coleção, com destaque para novas variantes do Carrera Heuer-01 e um novo exercício neo-retro com o Monza.

Mais uma vez, o stand da TAG Heuer extravasou para ouvir Jean-Claude Biver. Foi necessário colocar ecrãs gigantes na parte exterior para que muitos jornalistas e convidados (para além dos curiosos e transeuntes) pudessem escutar o que aquele que é considerado como o messias da relojoaria suíça tinha para dizer. E, como não podia deixar de ser, Jean-Claude Biver voltou a sublinhar a aposta no Carrera Connected anunciado no mesmo local, um ano antes, em parceria com a Google e a Intel.

Um ano depois, o smartwatch da TAG Heuer tem esgotado em todo o mundo (ou, pelo menos, nos primeiros mercados em que foi comercializado) e é, aparentemente, o único a rivalizar – embora num volume de vendas bem distinto – com o Apple Watch. O objetivo é, logicamente, aumentar a produção de um instrumento que se parece e se sente como um relógio suíço. E alargar a sua distribuição em todo o mundo, com Portugal incluído.

A força do Carrera Connected estava bem patente na parte exterior do stand da TAG Heuer em Baselworld, com uma enorme mesa em que os visitantes podiam testar as diferentes configurações do relógio. A decoração incluía também um Formula 1 (da Red Bull, nova parceira da TAG Heuer) pendurado verticalmente numa das paredes e o rosto de vários dos embaixadores da marca – desde atores (Chris Hemsworth) a modelos (Cara Delevingne), passando naturalmente por desportistas (Cristiano Ronaldo).

Entre a oferta relojoeira mais tradicional, o investimento na nova coleção que representa a ‘Era Biver’ na TAG Heuer foi bem evidente. O Carrera Heuer-01 recebeu novas e atraentes variantes que não desvirtuaram em nada a sua auréola moderna. Manteve-se o mostrador esqueletizado de modo contemporâneo, mas surgiram seis novas versões e duas alternativas de braceletes. E manteve-se o espírito que esteve por trás da sua criação: exaltar o TAG (Techniques d’Avant Garde) da TAG Heuer com um relógio de visual mais vanguardista e beneficiar da sua construção modular para conseguir variantes sem grandes custos com a troca de alguns componentes da estrutura.

Leia o texto completo no site da Espiral do Tempo.